Vanessa, Santo Antão 🇨🇻

Foi uma experiência incrível com muita aprendizagem. Tive a sorte de conhecer a Mathilde a pessoa mais preocupada com tudo, com o nosso bem estar, com a nossa alimentação, sempre atarefada para que todos estejamos bem e que tudo esteja a correr bem.

A nossa casa, que primeiro estranhas mas depois sentes que aquela é a tua casa, e os outros voluntários são a tua família, ficarão sempre guardadas as recordações das reuniões semanais e as tardes de planeamento, os jantares em família e dar sempre graças depois de jantar pelo dia que tivemos dizendo qual foi o melhor momento que tivemos. Chegar ao centro de dia e sermos recebidas pelo Sr. Vítor com a sua boa disposição e os seus abraços apertados e ver a dona Maria e o Sr. Germano, um casal com muito amor que parece que são namorados no inicio do relacionamento.

Cada dia que lá estás é diferente, é o início de uma nova fase. Sendo filha de cabo-verdianos aprendi a ver as coisas com outros olhos e a levar a vida como dizem os mais velhos “be devagar” (ir devagar), pois com o pouco que têm estão sempre com um sorriso enorme e é muito difícil vê-los a reclamar da vida. Mesmo os idosos acamados que fomos visitar, dava para ver no seu olhar o sorriso de estarem a serem visitados, alguns não falavam mas demonstravam a alegria de nos ver batendo palmas e outros abraçando-nos ou dando-nos muitos beijinhos. Todos estes momentos marcaram-me, mas sobretudo deixam saudades, e espero futuramente repetir esta aventura e que continue a aprender cada vez mais com as coisas simples da vida.