Maria, Alenquer 🇵🇹

Conheci a Para Onde? através das redes sociais e do meu desejo ardente de ter uma experiência de voluntariado internacional. (In)Felizmente o tão aclamado COVID veio trocar as voltas, e o distanciamento conduziu-me até ao Alão Radical. A minha paixão por animais e crianças levou a que aceitasse o desafio desta experiência em território nacional, e posso dizer que não podia ter sido melhor! Desde a chegada à quinta, com o desafio de saber os nomes de todos os animais e a sua respetiva história (não é tarefa fácil, acreditem), a passar pela equipa de resgate e salvamento de um peru, aos desafios constantes das 15 crianças (todas com idades diferentes) até à dolorosa despedida, foram 10 dias cheios, intensos e a transbordar de alegria e boa disposição. A energia extraordinária e contagiante da Carla, a alegria e paciência do Sr. Simões com as crianças, e toda a harmonia do espaço fez com que a Marta, o Diogo, a Joana e eu criássemos um espírito de grupo brutal, que tanto nos ajudou a viver aqueles dias com um olhar diferente. Para mim, esta experiência foi exatamente aquilo que precisava no momento. Confesso que fiquei reticente por ser um projeto nacional, mas foi muito mais do que estava à espera. Foi abraçar um projeto com que me identificasse, sem levar pedras na mochila. Assumir um compromisso sem pensar demasiado, sem calcular prós e contras, simplesmente ir. E estar lá com tudo aquilo que sou e absorver cada segundo. Aprendi que a super organização não é tudo, e que às vezes mais vale deixar fluir e saborear o momento. Passado um mês, e com o coração cheio, continuo cheia de saudades da Pepa, do Heitor, do querido Snow, do meu Jeremias (Strogonof para os amigos), das tostas mistas do Ruben acompanhadas por chicletes do Diogo, do Gin, da Carla cheia de vida e, claro, dos meus companheiros de campo! Mil obrigadas a todos os que proporcionaram esta experiência, e principalmente, à Para Onde?. Não tenho palavras para descrever o meu agradecimento! Vocês são espetaculares! Vieram mostrar que não é preciso passar fronteiras para ter uma experiência de voluntariado. Obrigada a todos!