Luís, Colares 🇵🇹

Há momentos de espontaneidade que podem valer muito! Um deles foi sem dúvida aquele em que me voluntariei através da Para Onde? para ajudar num projeto cujo título me cativou logo: “PLANTAR PARA O FUTURO”. Achei que é algo que realmente precisamos de fazer, cada vez mais… Pensar a longo prazo e plantar, não só num sentido literal mas também em todos os outros aspetos da nossa vida, é a chave para cumprir os propósitos que são todos os dias defendidos na Quinta dos 7 Nomes e assim concretizar um futuro para nós e para as gerações vindouras.  E é com todos estes valores e com toda esta espontaneidade que se iniciou uma grande aventura de duas semanas com momentos incríveis, pessoas fenomenais e valiosas aprendizagens.  

Ainda antes de chegar à Quinta dos 7 Nomes conheci a Maria, coordenadora do voluntariado, uma pessoa super comunicativa, competente e aventureira, tornou-se uma grande amiga. Chegados e já com a tour feita pela Joana, responsável pela quinta, e uma pessoa super amável, conheci o Francisco que ia ser o meu parceiro voluntário. Com ele passei bons e intensos momentos em que ajudámos no que era necessário, apenas pelo prazer de contribuir para a manutenção de algo que queríamos que continuasse a gerar valor. Ao longo do tempo fomos conhecendo outras pessoas que nos ensinaram muito, que nos fizeram rir até rebentar e que essencialmente no seu conjunto nos mostraram espontaneamente como “PLANTAR PARA O FUTURO”.

Descobri que é bom não termos expectativas, desta forma deixar que tudo nos surpreenda, saber lidar com as situações no momento, abraçar a diferença e o inesperado mantendo uma perspetiva otimista mas realista das coisas. Isto foi a chave para nos ajudar a fazer sempre o melhor trabalho que conseguimos em cada momento. Assim alimentamos os animais, plantamos alface, courgette, beterraba…Limpamos e arranjamos o terreno os caminhos e os espaços comuns, pintamos de forma criativa, colocamos a lona e loteamos a zona de camping, aprendemos a fazer pão, cavámos a terra, preparámos a sala de aulas, compusemos o lago e ainda levámos o Bacon “Porco lindo” a passear. Sinto que fizemos a diferença, deixámos a Quinta dos 7 Nomes com a certeza de ter contribuído de forma positiva.

Para fazer a diferença não temos obrigatoriamente que sair do nosso país, onde vivemos também há pessoas a precisar de ajuda e projetos incríveis como este que precisam de voluntários com vontade de fazer o melhor por eles apenas esperando sair com a frase “Missão cumprida” nas suas cabeças. Foi tudo isto e “coisas que não se escrevem” que vivi com a experiência que a Para Onde? me proporcionou!