Filipa, Irlanda 🇮🇪

Regressei há pouco mais de um mês da Irlanda e apesar de ser uma repetente nestas andanças, não é assim tão fácil transmitir como foram estas duas semanas.

Mais uma vez escolhi um projeto relacionado com proteção ambiental, afinal é uma área na qual me sinto realmente à vontade e onde a palavra trabalho é facilmente substituída por entretenimento. Assim, durante duas semanas fiz voluntariado no projeto Killarney National Park Woodland Conservation. Este projeto está integrado na preservação e manutenção do Killarney National Park, sito no pitoresco condado de Kerry. Desde há alguns anos, vários workcamps têm decorrido aqui de forma a controlar o crescimento da espécie Rhododendron Ponticum. Apesar de este tipo de planta com flor embelezar muitas paisagens pela Europa, neste parque é considerada uma espécie invasiva, pois tem prejudicado o crescimento e desenvolvimento de carvalhos, uma espécie nativa do parque. Dando continuidade ao controlo que tem sido efetuado e sempre acompanhados por rangers e outros trabalhadores permanentes do parque, o nosso trabalho consistia em cortar e eliminar estas plantas. Poderá parecer um trabalho aborrecido, mas garanto-vos que não foi. Para mim, foi sem dúvida um grande privilégio fazer voluntariado num parque natural tão bonito e cuidado como este. Uma vez que trabalhávamos em zonas remotas, de difícil acesso para os turistas ou até mesmo para habitantes locais, todos os dias era surpreendida com paisagens i-n-c-r-í-v-e-i-s. Todos os dias tínhamos que caminhar – por vezes, caminhar significava fazer montanhismo ou até mesmo trepar – cerca de uma hora até à área a controlar e, durante este tempo, recordo-me de pensar sempre na sorte que tinha em estar ali. Afinal, estava a ajudar na preservação de um local tão importante como o Killarney National Park, estava a descobrir locais que de outra forma certamente não o faria e estava no meu escritório preferido que é estar em contacto com a Natureza. Em alguns dias, ainda tive a oportunidade de ver no seu habitat natural alguns exemplares de duas espécies veados. Como poderia ficar aborrecida ou arrepender-me por ter escolhido este projeto?

Para tornar esta experiência ainda mais memorável, num dos dias enquanto trabalhava, fui picada por três vespas, o que me obrigou a ir ao médico e a uns dias de sonolência devido à medicação. Isto para vos dizer que todos os conselhos e dicas que nos dão na formação pré-partida devem ser considerados e que o Manel e a Joana nos dão o melhor apoio possível.

Também passei por algumas situações inesperadas relativamente à postura de outros voluntários, por isso é realmente importante saber gerir as expectativas e ser flexível. Com ou sem experiência, nunca nenhum programa de voluntariado será igual, mas se mantivermos sempre uma atitude positiva e o nosso propósito em mente, serão sempre dias inesquecíveis e que desejaremos repetir. Como tal, espero no próximo ano participar noutro workcamp ou, quem sabe, desafiar-me num projeto de longa duração.

Caso queiras ir para a Irlanda, um bom casaco e calçado impermeáveis são indispensáveis. No entanto, a boa disposição e simpatia dos irlandeses, as paisagens l-i-n-d-a-s e verdes, e a típica Guiness transformarão qualquer dia de chuva aborrecido num dia espetacular!

Se ainda estás com dúvidas, não percas mais tempo. Se tens vontade de ir, vai! A Para Onde? ajuda-te em tudo, só tens que escolher o local :)