A Experiência da Diana em Itália

Em Setembro deste ano resolvi embarcar na minha primeira experiência de voluntariado internacional. O destino era a Città dell´Utopia em Roma. Pensei várias vezes se deveria fazê-lo, seria a altura certa? Seria o projeto ideal? Confesso que tinha algum receio, mas felizmente a vontade de participar numa experiência diferente e em algo que fizesse sentido foram mais fortes. E lá fui eu com destino a Roma. A Città dell´Utopia está localizada nos arredores de Roma, e trata-se de uma oficina cultural e social, na qual são desenvolvidas um conjunto de atividades que permite unir toda a comunidade, apesar das diferenças. Também acolhe temporariamente pessoas que estejam a precisar de abrigo e ajuda. O projeto no qual ia participar tinha a duração de uma semana e tinha como tema o Yoga como estilo de vida. As atividades tinham como base as aulas de Yoga, mas também a manutenção e o melhoramento das condições das instalações da instituição. Participamos nos trabalhos de manutenção do jardim e limpeza e organização dos espaços comuns da casa. Mas mais importante do que o contributo que demos para este projeto, foi tudo o que aprendemos para evoluirmos e para sermos melhores pessoas nas nossas vidas e para com os outros. As aulas de yoga foram extremamente ricas, porque mais do que posições e técnicas de respiração, aprendemos a sentir mais e a sermos nós próprios sem medos. Aprendemos que devemos viver o momento, sem ansiedade e a ser gratos por tudo o que nos acontece, o bom, que nos deixa feliz e o mau porque nos permite crescer e evoluir. E que podemos sempre recomeçar independentemente do momento em que nos encontramos.

Para além disso foi absolutamente fantástica a oportunidade de aprender a viver em comunidade, com pessoas de diferentes nacionalidades, como Áustria, Itália, Rússia, Coreia do Sul, etc. a dormir em camaratas, a cozinhar refeições para todo o grupo com um orçamento reduzido, o que apelava à nossa criatividade e capacidade de improviso constantes. A comunicação também era um desafio, pois as aulas eram em italiano e entre todos os voluntários era o inglês que dominava. Tive a sorte de ter comigo outra voluntária portuguesa, a Inês, a participar neste projeto a quem agradeço toda a camaradagem e ajuda durante esta semana. Se em algum momento tiverem dúvidas em participar num projeto deste género, digo: vão, mesmo com medo e com borboletas na barriga, porque vale muito a pena. Independentemente da cultura, do projeto, da idade (havia um voluntário na casa dos 50 anos a participar), arrisquem, coloquem-se fora  da vossa zona de conforto. Porque por mais que possam dar, vão receber muito mais e vão regressar às vossas casas e às vossas vidas muito mais ricos do que quando partiram.