A experiência da Beatriz na República Checa

 

Quando 2018 começou prometi a mim mesma que não ia deixar passar este ano sem fazer voluntariado internacional e assim foi… Um dia por acaso tropecei na página do Para Onde e foi assim que tudo se iniciou. Comecei a pesquisar e finalmente encontrei um campo de voluntariado que parecia que tinha sido feito para mim! Decidi candidatar-me e pouco tempo depois estava eu sozinha, num avião, com duas mochilas enormes a caminho da República Checa onde uma das maiores aventuras da minha vida me esperava.

De Praga a Ústí Nad Labem são certa de duas horas e pouco de comboio. Ústí é uma cidade pequena, vítima do comunismo e da segunda guerra mundial. Nela podemos encontrar a maior diversidade de pessoas.

 

 

A cidade tem um muro que a separa ao meio. De um lado ficam as ditas pessoas “normais” e do outro ficam as pessoas que sofrem de exclusão social. O meu campo de voluntariado ficava na parte da cidade que era socialmente excluída. A degradação dos edifícios e o estado das roupas com que as pessoas andavam mostrava logo a pobreza que ali se fazia sentir, pobreza que era monetária porque em termos afetivos nunca vi um lugar tão rico.

Para mim o ponto mas positivo de todos foi sem dúvida os miúdos! Nunca me senti tão acarinhada como ali. Eles eram genuínos e puros, sempre prontos a ajudar. Mesmo não tendo praticamente nada eram os primeiros a partilhar assim que recebiam algo. A felicidade de nos ver era notória e aqueles sorrisos enchiam o coração de qualquer um.

Esta experiência para mim foi muito enriquecedora e ajudou-me a abrir muitos horizontes. Fiz amigos de novos países, conheci novas culturas, vivi experiências incríveis como acampar e ordenhar uma cabra, aprendi um novo idioma (pouco mas aprendi), viajei sozinha, aprendi a desenrascar-me e tornar-me mais independente. Cresci. Quero muito voltar a fazer voluntariado. É sem dúvida a experiência de uma vida!