Andreia, Caraíva 🇧🇷

Os pés acabaram de pisar Portugal, as emoções um turbilhão, mas o coração ainda sobrevoa Caraíva. No dia 30 de Julho embarquei naquela que seria a melhor experiência da minha vida. Neste dia não sabia o que esperar, tudo era novidade, mas quando vi aquele pequeno paraíso, percebi que tinha tudo para dar certo.

Os dias começavam com a paisagem mais bonita do mundo. Tudo virou rotina… o café da manhã cheio de cor, alegria e vida; a caminhada até à ONG e toda a receção por parte daquelas crianças incríveis. Abraços apertados e genuínos, sorrisos, “Eu gosto de você”, “Não vá embora”, “Vem para a minha aula” e assim foram passados os dias mais incríveis.

As pessoas, a cultura, as tradições…era tudo tão mágico.

Nunca fui tão eu e nunca me senti tão livre, nunca andei tanto tempo de pé descalço e nunca comi tanta fruta e tapioca. Agradeço cada momento, cada mergulho no rio e no mar, cada pôr-do-sol e cada céu mais estrelado. Agradeço às 43 horas sem eletricidade, aos indetermináveis dias de chuva, à falta de gás e água fria, a cada animal mais estranho que encontrávamos no quarto, cada susto que apanhei e a tudo o que não me fez falta. Nem todos os dias foram fáceis, mas claro que a experiência não seria a mesma se tudo fosse perfeito.

Caraíva é isto… é não sabermos o que esperar, é viver da forma mais genuína e simples, é não ter regra, é confiar no que há para vir, mas uma coisa é certa, existirá sempre um “Bom dia”, um sorriso rasgado, um abraço apertado e a energia contagiante que nos faz sentir em casa.

É impossível sair deste lugar sem uma visão diferente da vida. Não da deles, mas da nossa. Estas crianças ensinam-nos mais do que alguém pode imaginar, que é bem verdade a frase que a “felicidade está nas pequenas coisas”. Basta música, dança, lápis, uma bola, árvores e biri-biri para os seus olhos brilharem. Os pulos de alegria quando a energia volta e quando não havia, tudo continuava e o improviso reina. Ensinam-nos a ser gratos, a confiar e agradecer por tudo o que temos e somos.

Ser voluntário é ser um pouco de tudo, fomos mães e titias, ouvimos e contamos histórias, brincamos, damos abraços, arrancamos sorrisos, limpamos lágrimas, curamos feridas, damos colo e carinho, ensinamos a respeitar , a pedir desculpa e a dar a mão.

“Tudo fica melhor quando estamos com as pessoas certas” é das frases que mais me marcou. “Era uma vez” 4 raparigas, 4 personalidades distintas, 4 pontos do país e 1 sonho em comum. Com a luz destas miúdas tudo ficou mais bonito e mágico. Desde as grandes risadas, sotaques, expressões estranhas, cantorias, cumplicidade, tatuagens, apoio e muitas histórias para recordar. Uma coisa é certa, hoje somos grandes amigas e agradeço por terem tornado esta experiência ainda mais especial.

Agora de lágrimas no rosto e coração apertado levo grandes memórias desta pequena vila, das mil aventuras, de todas as pessoas que me cruzei nas ruas de areia, dos desenhos que recebi e das crianças que se tornaram uma segunda família.

Um gigante obrigado a este fim maravilhoso, que me permitirá ter um começo ainda mais bonito. Obrigada Caraíva, fui a pessoa mais feliz deste mundo e até um dia, pois sei que a porta estará sempre aberta. Parte do que parte fica…