A experiência da Ana na Indonésia

Porquê a Indonésia? Era o que todos me perguntavam… e eu só respondia: porque não? Ainda hoje não consigo identificar ao certo o que me impulsionou a escolher a Indonésia e o projeto de Borobudur, mas assim que lá cheguei, tive a certeza que era ali que tinha que estar!

A maior aventura foi, sem dúvida, a viagem! 5 aeroportos, 4 aviões e quase 30 horas depois, chegava a Semarang…ainda me faltavam mais 3h de autocarro para chegar ao campo de voluntariado, mas tudo valeu a pena! Cheguei a Karanganyar… uma pequena aldeia, um paraíso verde, rodeado de montanhas, vulcões, muitos campos de arroz e pertinho do Templo de Borobudur.

Cheguei de “mente aberta” e pronta para tudo…ou pelo menos achava que sim! Fui muito bem recebida pela família de acolhimento e pelos meus colegas voluntários. O resto, é um processo de adaptação natural…dormir no chão, comer no chão, cozinhar no chão, nada disto é fácil para nós… mas é assim que eles vivem, vamos lá viver como eles!

A partir daqui, foi a “rendição absoluta” … quem consegue resistir a estes sorrisos? As pessoas são adoráveis, super acolhedoras, enchem-nos de comida e chá e adoram os estrangeiros…quando falam connosco encontram sempre uma oportunidade para aprenderem algo de novo. E as crianças? Bem, autênticos doces!!! E sempre dispostos aprender tudo o que tiver ao alcance deles.

Nesta pequena aldeia, encontrei o verdadeiro espirito comunitário, uma vez que toda a comunidade está unida em prol do mesmo objetivo. Não são coitadinhos nenhuns, não! São um povo trabalhador, disciplinado e muito ligado à sua religião. São uma comunidade maioritariamente muçulmana e muito dedicada às suas responsabilidades religiosas, mas sempre curiosos em relação às outras religiões…esta foi para mim uma das grandes lições! Os muçulmanos não são terroristas nem fomentam a violência, pelo contrário, são dos povos mais tolerantes e pacíficos que conheci até hoje.

As atividades que desenvolvi foram muito diversificadas: fomos a várias escolas ensinar inglês; sensibilizar para as questões ambientais (uso excessivo do plástico); ensinar a lavar corretamente as mãos; ajudámos os agricultores; ajudámos num festival de crianças e ainda tive oportunidade de aprender os costumes locais, como por exemplo o artesanato de barro; o batik (pintar o tecido); o gamelão (instrumentos típicos indonésios). Ainda tive oportunidade de visitar o templo de Borobudur, onde tive o privilégio de assistir ao deslumbrante nascer do sol.

 

Tudo isto em 14 dias, muito quentes e intensos! Claro que o momento das despedidas, não é fácil. Eu não gosto de despedidas, nunca gostei! Esta foi bem difícil… com o coração apertadinho, mas com um grande sorriso no rosto porque estas crianças de Karanganyar mereciam tudo!

Esta foi, sem dúvida, a experiência que procurava! Voltei de coração a transbordar de emoção, carinho e afetos… e cheia de vontade de regressar àquele pequeno paraíso!

Posso afirmar com toda a convicção: hoje sou uma melhor pessoa! Devido, em grande parte, à experiência que vivi na Indonésia!

TERIMA KASIH  / OBRIGADA :)