A experiência da Patrícia no Tarrafal

Um dia li que a “saudade é o amor que fica” e sabia que em algum momento da minha vida esta frase ia fazer mais sentido do que nunca. Eis o momento. Fazer voluntariado é uma das muitas formas do amor. De dar e de receber. E é sobretudo isto que podes esperar do Tarrafal e que o Tarrafal espera de ti. AMOR às 07h30 da manhã enquanto esperas pelo carro rodeado das crianças do jardim que depois de uma noite bem dormida chegam com a energia que com a tua idade já não vais conseguir ter, AMOR às 09h30 quando os meninos da escola enchem a sala de estudos com inúmeros trabalhos de casa e sem material escolar para os conseguir fazer, AMOR à hora de almoço quando passas no mercado, no tatá ou no parque das merendas para decidires que comida ainda não estás assim tão farto de comer, AMOR às 15h quando estás na Delta e tens que cantar e dançar porque sabes que isso os vai envolver, AMOR quando voltas para casa e encontras na rua as pessoas que já estás habituado a ver, AMOR enquanto descansas e sentes que foi mais um dia a valer. AMOR, AMOR, AMOR!! E em dois meses é isto que fica naqueles com que te cruzaste e sobretudo é isto que fica em ti. E se ainda estás com vontade de me perguntar se vale a pena só te posso dizer que tudo é uma questão do quanto tu amas e se achares que não dominas este dom de amar, vai e aprende. 

Eu sou a Patricia Bronze e tenho o Tarrafal a dançar no meu coração.