Sandra, Santo Antão 🇨🇻

E é nestas alturas que parece que ficamos sem palavras, sem saber bem por onde começar, sem saber bem como descrever algo assim.

Parece que foi ontem que escrevi uma carta de motivação para ser aceite neste programa, e agora cá estou, de volta a casa a escrever um testemunho de como foi esta experiência.

Começou pela simples ideia de fazer voluntariado, ideia essa que já pairava na minha cabeça à muito tempo, no entanto faltava o dito “timing” certo. Procurei informações, procurei associações, informei-me com quem já o tinha feito anteriormente e quando surgiu oportunidade, embarquei nesta aventura. 

Tive bastante receio de como ia conseguir lidar com tudo isto, como ia enfrentar uma realidade que não estava habituada, como ia conseguir não chorar quando algo me tocasse no coração, aquele que considero o meu ponto fraco. Mas parece que todos esses medos desapareceram mal desembarquei naquele lugar, a incrível ilha de Santo Antão, que tem tanto de beleza como de cultura. 

Cheguei sozinha mas rápido percebi que isso não ia durar muito tempo. Estava cansada, tinha tido um dia desesperante em torno de viagens mas a vontade de conhecer as crianças com quem íamos trabalhar era bem superior a qualquer cansaço. 

Lá fomos nós e aí começou um dos melhores meses da minha vida. Um mês repleto de abraços apertados, de carinho, de energia contagiante, de experiências arrepiantes. Desde os jogos e brincadeiras alegres com os miúdos até às atividades cheias de ternura com os idosos, tudo foi especial e único. 

Não posso dizer que achei fácil, inicialmente senti-me perdida, parecia que as ideias não surgiam, queria ajudar em todo o lado mas não conseguia perceber como o fazer. Até que quando se entra na rotina percebe-se que só a nossa presença já os torna felizes, porque Santo Antão é isso, não precisam de muito para viver bem. E isso acaba por entrar em nós, acabamos por perceber que a realidade que nós vivemos não é a realidade do mundo; aprendemos a desconsiderar aquilo que nós chamávamos de problemas, percebemos que estamos longe de saber o que é ter problemas na vida. 

Aprendemos a dar valor ao que realmente importa, percebemos que eles só adoram estar no nosso colo, só adoram abraçar-nos, só adoram que estejamos lá a ouvir o que eles tem para dizer. E é tão bom receber isso, é tão bom perceber que eles gostam que estejas ali, que dão valor ao que estás a fazer e eu não podia estar mais grata por isso! Porque por mais que te sintas impotente, quando eles te abraçam ganhas as energias todas de volta para dares o melhor de ti! 

Parti com vontade de ficar, vontade de os trazer comigo, vontade de fazer mais e sem dúvida alguma vontade de repetir a experiência. 

Um obrigada a Santo Antão, um obrigada ao Synergia, um obrigada à Para Onde? e um obrigada especial ao Allan e à Elci, que me acolheram tão bem neste lugar! 

Uma aventura guardada na memória e no coração, para toda a vida!