Rafaela, São Vicente 🇨🇻

Posso dizer que não havia melhor forma de começar 2020, senão realizando a minha vontade de participar num voluntariado internacional. Parti para uma derradeira aventura e assim cheguei à ilha de São Vicente, apercebi-me que era ali que começava a minha oportunidade de fazer a diferença, era ali que começava a experiência da minha vida!

Foi um mês intenso tornando-se quase impossível de descrever o que ali vivi, apenas quem tem oportunidade de experienciar algo tão inexplicável é capaz de compreender todos os momentos que passei que me alimentaram a alma e os cincos sentidos que regressaram a Portugal mais ricos, com novos sabores, sons, cheiros, texturas e paisagens.

Fui recebida com todo o carinho pelas pessoas do Espaço Jovem e pelas minhas colegas, mas confesso que o medo de falhar, de não marcar a diferença e de ser apenas mais uma estavam então presentes, fizeram parte das mil e uma emoções que ali vivi. Tornaram-se paixão, partilha e amor assim que, conheci aquelas crianças que tornam tudo o que experienciamos mais bonito com os seus beijinhos de bom dia, a alegria estampada no rosto de cada um deles quando chegávamos pela manhã, a gratidão e confiança dos pais e a proatividade que levei comigo.

Desenvolvemos inúmeras atividades nos três centros do Espaço Jovem como quando preparámos umas máscaras para o Carnaval, ou quando viemos para a rua fazer corridas de batata e jogos tradicionais. O que importou foi tornar a aprendizagem destes meninos mais divertida e motivadora.

Contudo era importantíssimo para mim partilhar noções básicas de saúde, visto ser esta a minha formação, tendo então realizado o workshop “SOS o que fazer?”, tendo superado as minhas expectativas pela adesão de toda a comunidade.

Com esta experiência aprendi a por em prática o lema deles Depos de sab, morrê ka nada, aproveitando cada momento, devagarinho e a relativizar os nossos problemas, porque na verdade, aquela gente é tão melhor que nós, oferecem o que têm, um ombro amigo, um beijinho, um sorriso, sem pedir nada em troca, sendo felizes como o pouco que têm.

Fiquei com um bocadinho de cada pessoa com quem me cruzei, mas tenho a certeza que cada um deles também ficou com um bocadinho meu. É disso que é feito o voluntariado, de partilha, de amor, que com pouco podemos fazer muito, que os bens materiais são aquilo que menos importa, porque não nos definem, mas sim a intenção e a dedicação que colocamos em cada coisa que fazemos.

Escrever este testemunho é estar com lágrimas nos olhos e um nó na garganta com a tamanha Sodade de Soncent, uma Terra Sab que conquista o coração de qualquer um.