Milene, Santo Antão 🇨🇻

Posso dizer que 2019 foi o ano! O ano em que realizei o sonho de prestar voluntariado internacional. Inicialmente ninguém acreditava que a “menina” era capaz de partir assim, sozinha, acho que nem eu mesma acreditava ser capaz. Superei-me, entrei nesta aventura e sem dúvida foi a melhor decisão da minha vida!

Foram 3 semanas intensas, que me marcaram de uma maneira inexplicável, é algo que só quem vive uma experiência destas consegue sentir e compreender.

Escrever este testemunho é estar com as lágrimas nos olhos e o coração apertadinho de tanta Sodade daquela Terra Sab, dos idosos, das crianças, das cartas de amor logo pela manhã, da música, da dança, do crioulo, da praia, das paisagens, dos finais de dia todos abraçados a ir para casa, das noites na rua a dançar feitos loucos…

No dia de chegada a Santo Antão fui logo conhecer o Espaço Jovem e posso dizer que foi amor à primeira vista o que senti por aquelas crianças que me vieram logo abraçar e encher de beijos, mesmo sem me conhecerem, ainda me arrepio ao recordar este momento fantástico, todas as dúvidas que tinha desapareceram e percebi que a partir dali só podiam acontecer coisas boas.

Desenvolvemos diversas atividades tanto no Centro de Dia como no Espaço Jovem, no entanto eu parti para Porto Novo com um projeto pessoal a desenvolver, dar aulas de Ballet à comunidade. Dançávamos com sapatilhas de dança, chinela ou até mesmo pé descalço, mas sempre ouvi dizer que o importante é fazer o que se gosta, e como eu gostei de desenvolver este projeto… o entusiasmo em aprender e toda a felicidade no espetáculo final, deram-me a certeza de objetivo cumprido.

Com esta experiência aprendi a viver devagarinho, a relativizar os problemas, a agradecer mais por tudo o que tenho. Aquelas gentes são tão mais ricas e fortes que nós, mesmo perante todas as adversidades têm sempre um sorriso no rosto, um abraço amigo, uma palavra a dar, sem esperar nada em troca, são felizes com pouco e pobres de nós que nem sabemos a sorte que temos.

No dia da despedida o Alay e a Sandji ofereceram-me um livro deles, “O Principezinho” que fala de amor e de que o essencial é invisível aos olhos; é muito isso que o voluntariado nos transmite, com pouco se faz muito e que “Juntos é melhor”, não são bens materiais que nos definem ou nos tornam melhores, mas sim o amor que depositamos em cada coisa que fazemos.

É tão simples ser feliz naquele lugar mágico, uma parte de mim ficou com cada um daqueles que me cruzei, mas vim de coração cheio e mais rica por tudo o que vivi. Queria que todas as pessoas sentissem o que eu senti… por isso se sentes, não hesites!