A experiência da Mara na Indonésia

Regressar a casa é voltar pouco a pouco a esta nossa realidade tão privilegiada e contar a toda a família, a todos os amigos sobre esta experiência fantástica e assim tentar perceber o impacto que estas crianças, que todas as pessoas que conheci pelo caminho tiveram em mim.

Foi a primeira vez que fiz uma viajem tão grande, que fiquei tanto tempo longe da família e amigos, mas nunca me senti sozinha. Fomos acolhidos por esta família de voluntários locais incríveis, que nos contam as suas histórias de vida impressionantes com um sorriso no rosto, por aquela ilha quente, bela e cheia de contraste. E depois fomos recebidos pelo mais caloroso dos abraços das crianças do mercado: “Anak Pasar”. Deambulam pelo mercado no tempo depois da escola (aquelas que vão à escola) enquanto os pais trabalham o dia inteiro, ali no meio do peixe, da fruta, do lixo…. Conhecem o mercado como a palma da mão, para alguns é tudo o que conhecem no mundo. Por isso nos receberam com tanto carinho, com tanto encanto no olhar, representamos o desconhecido, o que habita no imaginário. Tocam-nos no cabelo e na pele, existe fascinação no mais pequeno gesto, mostram o sorriso largo ao mínimo que dizemos, cantamos e dançamos músicas que nunca ouviram, pedem a minha máquina e tiram as fotos mais incríveis sem se aperceberem, porque têm o olhar mais puro do mundo! Não falamos a mesma língua, mas isso nunca foi uma barreira intransponível: os laços que criamos durante estas duas semanas foram suficientes para nos entendermos, os gestos, o carinho e os sorrisos foram sempre suficientes.

Nunca tive a ilusão de pensar que iria mudar a vida daquelas crianças, não depende de mim do pouco tempo lhes que dediquei, mas no dia que me despedi delas ali soube que lhes deixei muito amor, e que definitivamente trouxe muito comigo. Nunca vou esquecer cada olhar, cada risada contagiante, vou levá-los sempre comigo!

É para repetir??” perguntam os meus amigos depois de ouvirem o meu testemunho emocionado, e eu digo que sim, que isto de conhecer outras formas de vida é viciante e que toda a gente devia viver um choque cultural assim uma vez na vida, que trouxe o mais puro dos carinhos, que fiz amizades sinceras, que tudo o que sinto agora é saudade… e se deixou saudade foi porque valeu a pena!