A experiência do João no Tarrafal, Cabo Verde

Olá, eu sou o João. Antes de partir para esta nova aventura tinha receios, que penso serem transversais a qualquer voluntário e uma ansiedade de quem vai pisar uma terra e cultura desconhecidas. Assim que cheguei à Ilha de Santiago, mais concretamente ao Tarrafal, ainda atordoado por um voo atrasado, dei por mim a jogar futebol na praia com nativos. Um momento que recordo com carinho pela aceitação imediata por parte do povo cabo verdiano e pela simplicidade destes em acolherem uma pessoa de quem nada sabiam.

Mais do que eu ensinei àquelas crianças, ensinaram-me elas a mim valores tão básicos como a felicidade sem motivo aparente. Uma felicidade genuína construída com tão pouco, um prazer em viver a vida na sua simplicidade plena.
Aquilo que guardo em mim, não passa pela beleza natural da ilha (que é arrebatadora), mas sim a relação que criei com o Pitchitchu, o sorriso da Vanessa, o abraço da Solene, os silêncios do Elton e tudo aquilo que as outras crianças me ofereceram sem esperarem algo em troca, mas que seria impossível de enumerar.

Foram 32 dias que sinto que passaram a correr, num país onde tudo se passa tão devagar. Cheguei há um mês, mas não há um dia em que não sinta saudades destes momentos. Aconselho vivamente a que partam para um projeto que vos escolha, como este me escolheu a mim.