Francisca, Arraial d’Ajuda 🇧🇷

É já em Portugal, mas com o coração e com a cabeça ainda em Arraial d’Ajuda, que reflito sobre a minha experiência como voluntária na Associação Filhos do Céu. Contudo, a verdade é que torna-se difícil descrever por palavras tudo aquilo que vivi enquanto lá estive mas se há coisa que posso certamente afirmar, é que foi sem dúvida uma das melhores, se não mesmo a melhor, experiência que já tive! 

Tudo começou como uma enorme vontade de ajudar quem mais precisa e de sair da minha zona de conforto. E assim foi! 

No dia 11 de fevereiro meti-me no avião com destino a Porto Seguro. Nesse dia, não sabia o que esperar desta experiência. Ia completamente sem expectativas, como assim me tinham dito para fazer. Mas foi assim que cheguei a Arraial d’Ajuda, que percebi a sorte que tinha por estar naquele lugar maravilhoso, que seria a minha casa durante 5 semanas!

Arraial, devido às suas cores, ruas, cultura, pessoas, etc., tem esta capacidade de nos fazer sentir bem, de nos fazer sentir em casa! 

No entanto, este sentimento de bem estar aumentou assim que cheguei à AFC devido a todo o carinho com que fui recebida desde o primeiro dia! 

Os abraços e beijinhos por parte das crianças rapidamente se tornaram rotina, assim com os pedidos constantes: “prof, hoje fica com nois?” ou “titia, hoje vem pra nossa sala”. Todos estes gestos tornaram os meus dias ainda melhores! Para além disso, tive a sorte de ajudar e passar por um pouco de tudo, desde a biblioteca às oficinas, passando pela creche e pelas várias turmas, o que contribuiu ainda mais para esta experiência pois tive a oportunidade de aprender um pouco com cada uma daquelas crianças! 

Ser voluntária na Associação Filhos dos Céu significa chegar de manhã e receber de braços abertos as crianças que correm para nos dar um abraço de bom dia, abraços estes que nos relembram todos os dias o porquê de estarmos ali! Implica também saber dizer que não quando necessário mas também dar atenção, colo e carinho! Implica ouvir “baby shark” várias vezes por dia mas sempre com o maior sorriso na cara ao ver a felicidade daquelas crianças enquanto dançam! Implica pôr de castigo mas também brincar! Implica ralhar e ser paciente. Mas mais do que isso, implica não só ensinar mas também aprender! 

Foram muitos dias a acordar cedo, muitos quilómetros percorridos durante o tempo que lá estive, muitas molhas, muitos dias de cansaço. Foram também muitos abraços, muitos beijinhos, muitos risos, muitas brincadeiras e principalmente, muita alegria! Foi muita coisa e tudo muito intenso mas também muito gratificante ao mesmo tempo! 

Esta experiência ensinou-me a dar ainda mais valor às mais pequenas coisas da vida e a ver o mundo com outros olhos! Deu-me a conhecer uma realidade que até à data desconhecia mas que todos os dias sinto saudades. Deu-me também novas amizades, que certamente se irão manter! 

No entanto, tudo isto não seria possível sem aquelas crianças, sem aqueles educadores e sem a “Para Onde?” e, por isso, agradeço a todas estas pessoas por terem tornado esta experiência ainda melhor do que alguma vez imaginei! 

Hoje, sinto-me bastante agradecida por tudo o que experienciei enquanto estive em Arraial e tenho a certeza que um dia irei voltar!