A experiência da Catarina na Bélgica

Em Agosto de 2017, realizei a minha primeira experiência de voluntariado fora do meu país. Foram dias tão maravilhosos que ainda hoje não encontro o melhor termo para os descrever. Fiz voluntariado na Bélgica num campo com 150 refugiados, entre os quais crianças, jovens e adultos. Todo o campo era constituído por refugiados de uma enorme variedade de idades, de diferentes culturas e de diferentes partes do mundo. Ao viver com eles, pude aprender muito a nível pessoal. Acredito que tudo se tenha tornado ainda mais gratificante pelo facto de ter vivido no campo, de as minhas refeições serem as mesmas que as deles, de ter praticado as mesmas rotinas… entre muitos mais pormenores que me deram uma enorme lição!

Passei momentos com todos que me encheram o coração, desde diversão e animação a momentos de partilha e conhecimento de histórias incríveis de vida e de histórias corajosas do momento de fuga dos seus países para um novo país. E ao ouvir cada história pensava sobre todo o sofrimento que cada pessoa que ali estava viveu e ainda vive, o que me fez muitas vezes questionar sobre a minha realidade, sobre a realidade de todos nós, porque nem sempre somos justos e nem sempre damos valor ao que temos, e acabamos por valorizar coisas muito insignificantes que ficam mais insignificantes comparativamente à realidade de todas aquelas famílias desamparadas, de todos aqueles jovens sem família, de todas as mães com filhos pequenos, de todos em fuga num novo país a viver com gente desconhecida e de costumes diferentes… de todas as situações ali presentes. Contudo, mais reflexivo era quando todos os dias os via com um enorme sorriso no rosto, sempre ansiosos pelas atividades, sempre felizes por terem com quem conversar. A energia positiva que pairava naquele campo ensinou-me a ser positiva. O afeto, humildade e amor que não faltava por ali, contagiou-me. Foi sentir que conquistei sorrisos, que partilhei amor, que cumpri uma grande e tão desejada missão!

Não me vou esquecer dos momentos de ternura partilhados, principalmente dos abraços fortes e quentinhos, com as lágrimas nos olhos, que recebi no momento da despedida.

Na minha curta, mas inesquecível estadia no campo sei que pude fazer o melhor. Ri, sorri, ouvi, cantei, dancei, brinquei, ensinei, conversei, aprendi. Trouxe uma parte deles comigo e deixei uma parte de mim com eles. As saudades já apertam, todos eles estão muito, muito guardadinhos no meu coração e muito presentes no meu pensamento dia após dia, com o desejo do melhor futuro que a vida lhes possa dar!

Trago comigo uma experiência extraordinária, que quero repetir, que recomendo e aconselho. Para além de ter mudado a minha vida, tenho a esperança que o meu contributo possa também ajudar a uma mudança na sociedade.