A Experiência da Beatriz em S. Vicente

O sonho de fazer voluntariado já existia há́ algum tempo até que finalmente o consegui concretizar. Entre aulas, estudos e sem muito tempo livre, lá consegui um mês para ir para Cabo Verde, para a ilha de São Vicente. Porquê Cabo Verde? Nem sei bem, a única coisa que sei é que nada acontece por acaso. Foi aí que tudo começou… e se soubesse que a experiência ia ser tão incrível como foi, nem teria pensado duas vezes em ir mais tempo, porque VALE MESMO A PENA!

Ao início é tudo um misto de emoções, em que mil e uma perguntas nos invadem a cabeça. “Como será́ que vai ser?”, “Será́ que vai correr bem?”, “Como será́ com os voluntários?” de facto tudo isso influencia a nossa estadia e por isso o melhor é ir sem expectativas e assim tudo o que vier é ganho! Não podia ter tido melhores companheiras nesta viagem, pessoas incríveis que levo comigo para a vida, voluntárias como estas tornam a experiência melhor ao pormenor.

Entre um misto enorme de emoções lá fui eu, sozinha até São Vicente.

Assim que cheguei fui logo muito bem recebida! Esperámos que chegassem as outras voluntárias e foi como se houvesse um “clique” na minha cabeça que dizia “tudo é impossível até acontecer” e ali estava eu a realizar um dos meus maiores sonhos.

E tu que estás a ler isto, do que estás à espera para ir? Não penses mais nisso! Se tens oportunidade de fazer voluntariado vai! Arrisca!

Com tudo isto já́ passou 1 semana e pouco desde que voltei e as saudades são imensas, são saudades boas, saudades de quem lá fica, saudades das crianças, dos centros, da comunidade, da comida, de tudo! Dou por mim vezes sem conta a reviver momentos na minha cabeça e a ver de novo vídeos e fotografias que capturámos ao longo do mês! Foi uma experiência que nem um adjetivo consigo encontrar para a descrever! Parece clichê, mas a verdade é que vamos com o objetivo de dar, de oferecer, mas não há dúvidas que quem recebe mais somos nós, os voluntários, parece que damos tão pouco comparado com o IMENSO QUE RECEBEMOS. E nem me estou a referir aqueles abraços e beijinhos que recebíamos todos os dias pela manhã, não me refiro às mil ajudas que a comunidade nos ofereceu. Refiro-me ao que ganhamos com tudo isto, ganhamos tanto, que dito assim até parece pouco!

É UM GANHO GIGANTE DE FELICIDADE, DE AMOR, DE AJUDA, DE PARTILHA. Tantas coisas… mas se queres saber mais vai descobrir por ti, garanto- te que sais de lá feliz! Como nunca sentiste! É um sentimento de gratidão, é ser feliz! É ser feliz a sério. Vai ver com os teus próprios olhos o que de verdade importa, vai ver o que é ser feliz, SER FELIZ DE VERDADE! Não te vais arrepender!

Tudo é ganho! E eu ganhei tanto por conhecer cada pessoa… por ter visto cada sorriso e cada gesto!

Um obrigado GIGANTE às companheiras desta viagem – Miriam, Beni, Inês e Rosa, obrigada aos voluntários e amigos locais, às crianças, ao Para Onde? e a todos os que lá estiveram para tornar esta experiência melhor cada dia! A verdade é que, assim que saímos da nossa zona de conforto é quando começa a verdadeira aventura, aventura essa que ainda agora começou!